Manoel Pereira Calças é eleito presidente da Comissão Executiva do Colégio Permanente de Corregedores-Gerais
em 26 de novembro de 2016

Corregedor-geral de São Paulo foi escolhido por aclamação.

O corregedor-geral da Justiça do Estado de São Paulo, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, foi eleito por unanimidade como o próximo presidente da Comissão Executiva do Colégio Permanente de Corregedores-Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil. A escolha aconteceu no encerramento do 73º Encontro Nacional dos Corregedores-Gerais da Justiça (Encoge), realizado em São Paulo entre os dias 23 e 25 de novembro.

O mandato terá duração de um ano. Também foram escolhidos para completar a comissão executiva da instituição o corregedor-geral de Minas Gerais, desembargador André Leite Praça (1º vice-presidente); o corregedor-geral do Distrito Federal e Territórios, desembargador José Cruz Macedo (2º vice-presidente); a corregedora-geral do Maranhão, desembargadora Anildes de Jesus Bernardes Chaves Cruz (1ª secretária); e o corregedor-geral do Espírito Santo, desembargador Ronaldo Gonçalves de Souza (tesoureiro).

“Vamos trabalhar juntos e dar continuidade ao excelente trabalho desenvolvido pela desembargadora Maria Erotides Kneip, atual presidente da Comissão Executiva”, conclamou Pereira Calças. A magistrada Kneip, corregedora-geral do Mato Grosso, elogiou a escolha de seu sucessor e agradeceu a todos os colegas pela oportunidade de “trabalhar por aquilo que realmente acredito: por um mundo melhor e mais justo.”

O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Paulo Dimas de Bellis Mascaretti, assistiu ao encerramento dos trabalhos e aplaudiu a eleição do corregedor-geral paulista. “Desejo muito sucesso para o desembargador Pereira Calças. O importante é que esse é um grupo coeso e muito disposto a trabalhar”, declarou referindo-se aos integrantes do Colégio Permanente.

O atual 2º vice-presidente, desembargador Julizar Barbosa Trindade, corregedor-geral do Mato Grosso do Sul, e a atual 1ª secretária, desembargadora Regina Célia Ferrari Longuini, corregedora-geral do Acre, também fizeram pronunciamentos de despedida, agradecendo o apoio de todos os colegas e expressando admiração pela nova Comissão Executiva.
 

Colégio Permanente de Corregedores-Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil (CCOGE) – Tem como missão de aperfeiçoar e melhorar a prestação jurisdicional judicial e extrajudicial no âmbito das Corregedorias-Gerais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal. Atua na fixação de diretrizes, uniformização de métodos e critérios administrativos; no incentivo e no intercâmbio de boas práticas; estimula o estudo e o aprofundamento dos temas e das questões relacionadas à atividade correicional; e promove o debate de problemas e a proposição de soluções ao Corregedor Nacional de Justiça, bem como a defesa da autonomia administrativa e financeira das Corregedorias-Gerais. Com foro na cidade de Brasília, o CCOGE tem sede administrativa na Capital unidade da Federação na qual o Presidente exercer a magistratura.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo – TJSP

Recentes

Negada indenização a professor por críticas nas redes sociais

Negada indenização a professor por críticas nas redes sociais

A 7ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão de primeiro grau e negou pedido de indenização por danos morais proposto por um professor. O autor afirmava que proferiu palestra sobre “Reforma da Previdência” para alunos, realizada em praça pública. Ele alegou que, após o evento, comentários de quatro pessoas nas redes sociais teriam ofendido sua honra, pois escreveram que ele seria “doutrinador” e que teria arrastado os adolescentes para o evento na praça, tirando-os da sala de aula. O professor pedia R$ 95.400 por danos morais, além de retratação.

Ataque de cão em via pública gera dever de indenizar

Ataque de cão em via pública gera dever de indenizar

A juíza titular do 2º Juizado Especial Cível de Brasília determinou que os donos de um pitbull que atacou uma mulher em quadra da Asa Sul, paguem indenização por danos morais à vítima. O fato, no entendimento da magistrada, ocorreu por negligência com o animal.

WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte está aqui para responder às suas perguntas. Como podemos auxiliá-lo?
👋 Olá, em que posso ajudar?