Inscrição nos serviços de proteção ao crédito só por cinco anos: Súmula 323
em 24 de novembro de 2005

A última súmula aprovada ontem, 23, pela Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) trata do prazo de manutenção da inscrição de nomes em cadastros de inadimplentes dos serviços de proteção ao crédito diante do que determina os parágrafos 1º e 5º do artigo 43 do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

A súmula de nº 323 ficou com a seguinte redação: A inscrição de inadimplente pode ser mantida nos serviços de proteção ao crédito por, no máximo, cinco anos.

A questão foi pacificada nas Turmas da Segunda Seção quando do julgamento do REsp 472.203-RS, cujo acórdão foi publicado no Diário da Justiça de 29/11/2004. No recurso, afetado à Seção por determinação da Terceira Turma, concluiu-se, por unanimidade de votos, que o dispositivo legal citado cuida da prescrição referente à ação de cobrança e não do curto prazo prescricional de três anos da ação executiva (artigo 70 da Lei Uniforme de Genebra e Dec. nº 57.663/1966). Até esse julgamento, havia franca divergência entres as Terceira e Quarta Turmas quanto à qual prescrição se referia o artigo 43, parágrafo 5º, do CDC, se à da ação de cobrança ou à da ação executiva.

Esse julgamento e os demais que o seguiram sobre esse tema chegaram à conclusão de que as informações de restrição ao crédito arquivadas nos cadastros de inadimplentes perduram por, no máximo, cinco anos do registro, em respeito ao disposto no parágrafo 1º do mesmo artigo.

São os seguintes os precentes que embasaram a súmula: REsp 472.203-RS (2ª S 23/06/04 ? DJ 29/11/04); REsp 615.639-RS (3ª T 28/06/04 ? DJ 02/08/04); REsp 631.451-RS (3ª T 26/08/04 ? DJ 16/11/04); REsp 648.528-RS (4ª T 16/09/04 ? DJ 06/12/04), e REsp 676.678-RS (4ª T 18/11/04 ? DJ 06/12/04).

Fonte: Superior Tribunal de Justiça

Recentes

Negada indenização a professor por críticas nas redes sociais

Negada indenização a professor por críticas nas redes sociais

A 7ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão de primeiro grau e negou pedido de indenização por danos morais proposto por um professor. O autor afirmava que proferiu palestra sobre “Reforma da Previdência” para alunos, realizada em praça pública. Ele alegou que, após o evento, comentários de quatro pessoas nas redes sociais teriam ofendido sua honra, pois escreveram que ele seria “doutrinador” e que teria arrastado os adolescentes para o evento na praça, tirando-os da sala de aula. O professor pedia R$ 95.400 por danos morais, além de retratação.

Ataque de cão em via pública gera dever de indenizar

Ataque de cão em via pública gera dever de indenizar

A juíza titular do 2º Juizado Especial Cível de Brasília determinou que os donos de um pitbull que atacou uma mulher em quadra da Asa Sul, paguem indenização por danos morais à vítima. O fato, no entendimento da magistrada, ocorreu por negligência com o animal.

WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte está aqui para responder às suas perguntas. Como podemos auxiliá-lo?
👋 Olá, em que posso ajudar?